A Fiel e a Amante

Categories: Mesa de bar

A escolha mais difícil que um cervejeiro precisa fazer é: qual a próxima cerveja que vai encher meu copo? Parece frase feita, lamento de algum grande pensador, mas é simplesmente uma constatação do que passo toda vez que vou beber. É certo que acabarei sofrendo pelas que não irei provar, já que não sei quando nos encontraremos novamente. No entanto, há dias em que abro mão de qualquer sabor pela familiaridade acolhedora das minhas favoritas.

Temos, no Brasil, um mercado de cerveja relativamente jovem. São poucos anos desde o início da revolução. Prateleiras com mais de 5 marcas era sonho que se tornava realidade apenas quando se viajava. Há, por isso, uma sede por novidades (com trocadilho, por favor). De repente, podemos experimentar sabores de todo o mundo, das mais diversas escolas, com as mais diferentes receitas. E ainda mais de repente, somos invadidos por rótulos nacionais dos mais diversos produtores, com sabores de tirar o chapéu. É muita cerveja para pouco dinheiro, tempo, final de semana, fígado… É esperado que exigir fidelidade neste momento seja um pouco difícil, se não impossível. O mote é experimentar a maior quantidade possível, para então escolher sua favorita. A fiel.

Traição

Eu tenho a minha. Você também deve ter. É nela que confiamos de olhos fechados, pois sabemos que estará para sempre ao nosso lado, entregando exatamente aquilo que queremos. Há cumplicidade. Ela é aquela cerveja que nunca falta na geladeira. Ou, se falta, vamos atrás, nos bares da vida. O problema é que nestes locais de orgia de marcas, somos expostos à tentação, desejamos outras e acabamos nos vendo em uma suruba, entre Stouts, IPAs, Barley Wines ou Lagers. Menos mal, aqui a fiel não se zanga. E voltamos para casa, cambaleando, com uma sacola cheia dela, para lembrar que nada melhor do que um amor tranquilo para nos acalmar.

Luis Fernando Taylor
Author: Luis Fernando Taylor

Luis Fernando Taylor é publicitário, jornalista, roteirista, redator e ainda encontra tempo para beber cervejas. Formado pela escola da vida, carrega os calos nos cotovelos com o orgulho de quem já passou muito tempo da vida filosofando, ou só jogando conversa fora, no botequim.

One Response to "A Fiel e a Amante"

  1. caio fabio Posted on 13 de junho de 2015 at 16:03

    🙂

Deixe uma resposta