IBU e sua mitologia

Categories: Curiosidades

Não é de hoje que o Brasil segue as tendências gringas, especialmente se forem americanas. Desde música, filmes, seriados e, claro, cerveja. Apesar de termos tido algumas cervejas importadas da Alemanha, Inglaterra (e alguns outros países) no Brasil alguns anos atrás, podemos considerar que as cervejas belgas foram as que realmente começaram a entrar com peso no nosso mercado. Duvel, Delirium Tremens, Deus (objeto de desejo de muitos), Maredsous… Rapidamente elas conquistaram seu espaço por aqui e aos poucos outras foram chegando, até que uma verdadeira invasão americana começou a se configurar nas prateleiras de lojas especializadas, participantes de fóruns descrevendo cervejas cada vez mais lupuladas e os cervejeiros caseiros se surpreendendo com a quantidade de informações que as cervejarias liberavam: receitas completas, ingredientes, lúpulos e o tão falado IBU. Ora, mas o que é o IBU que tanto temos ouvido falar hoje?

Lupulos

 

IBU é uma sigla para International Bitterness Unit, que nada mais é que um índice que diz a quantidade de lúpulo utilizada na receita. E então você pensa: “quanto mais IBU, mais amarga é a cerveja? Entendi!“, mas não é tão simples assim, pequeno gafanhoto. O lúpulo sozinho não define o quão amarga a cerveja é, porque isso depende de diversos outros fatores, como os ingredientes utilizados na receita, o teor alcoólico, e até o tipo de lúpulo usado.

 

É comum repassar informação sem análise, ainda mais nessa época em que vivemos, onde o tempo é cada vez mais escasso, vocês já devem ter ouvido “Fulano me disse que essa cerveja é MUITO amarga, tem 150 IBUs“, e, apesar de uma cerveja comercial (tipo Brahma, Skol e outras) terem cerca de 8 IBU, e não serem nenhum exemplo de alto amargor, o fato de qualquer outra ter 150 IBU também não significa que ela seja amarga. Vamos entender um pouco melhor:

Uma cerveja é feita (basicamente) de:

  • Água – a boa e velha H2O.
  • Malte – todo grão (cevada, trigo e outros) que passa pelo processo de malteação, onde umidifica-se o grão, iniciando o processo de germinação que é logo interrompido, fazendo com que o grão fique mais mole, facilitando a moagem além de produzir as enzimas responsáveis pela quebra de amido durante a brassagem.
  • Lúpulo – responsável pelo amargor que dá equilíbrio à cerveja, já que o malte puro é doce.
  • Levedura – responsável pela transformação dos açúcares produzidos durante a brassagem em álcool, CO2 e outros subprodutos.

Pense no malte e no lúpulo como café e açúcar, quanto mais café, maior a quantidade de açúcar, certo? Considerando que você beba o seu café com açúcar, é claro. Você pode colocar o quanto de lúpulo você quiser em uma cerveja, mas dependendo da quantidade de malte utilizada na produção, esse lúpulo não será o suficiente para deixar a cerveja amarga. Então, antes de ficar assustado (ou impressionado) com o IBU de uma cerveja, lembre-se que IBU sozinho significa que eles usaram muito lúpulo na receita, e que ela pode não ser tão amarga quanto o número indica.

Vinicius Costa
Author: Vinicius Costa

Carioca, já foi desenvolvedor de sistemas, fotógrafo e bonsaísta. Resolveu colocar sua paixão por cervejas à prova. De Pilsner à Russian Imperial Stout, passando por Barley Wines, Sours e Rauchbiers, sendo cerveja, tá valendo. Continua regando seus bonsai, mas hoje cuida mais do Cerveja Social Clube. Cerveja preferida? A próxima!

5 Responses to "IBU e sua mitologia"

  1. Daniel Mesquita Posted on 9 de agosto de 2014 at 15:14

    E qual a variação nesse IBU? De zero até…?

    • Vinicius Costa Posted on 13 de agosto de 2014 at 18:28

      Teoricamente até 150, Daniel. Acima disso, dizem, nosso paladar não consegue distinguir.

  2. Rafael Nascimento Posted on 20 de agosto de 2015 at 18:15

    Parabéns pelo blog. Muitoesclarecedo.
    Abraços

  3. Rafael cosme Posted on 23 de setembro de 2016 at 8:43

    esqueci de marcar o tempo de fervura, como faço para medir o ibu agora?

    • Vinicius Costa Posted on 28 de setembro de 2016 at 21:04

      Talvez seja melhor você procurar blogs especializados em produção de cerveja, Rafael, como o Goronah.

Deixe uma resposta